Comunicação e Transparência

bolinhas


Um tema que sempre apresenta muitos debates é: qual o grau de transparência que uma organização deve praticar internamente? Minha crença sempre foi que organizações que confiam e trabalham baseadas em competências e não em hierarquia devem levar a transparência ao limite máximo. E qual é essa fronteira? Para mim é a informação que pode ser compreendida e assimilada por cada pessoa. A informação deve ser uma ferramenta de apoio ao crescimento, engajamento e segurança psicológica e não fonte de ansiedade. Cada pessoa deve ter o preparo para lidar com aquilo que é de sua responsabilidade. Definitivamente eu não gostaria de receber as informações que o presidente de um país recebe. Seriam fonte de angústia e sofrimento por falta de capacidade de compreender o contexto e até de poder agir. Quase todas as pessoas pedem toda a informação possível mas essa pode ser uma grande armadilha organizacional, principalmente quando a cultura corporativa é super aberta e nos leva a crer que tudo para todos é o correto a ser feito. Na prática entendo que é quase isso: tudo para todos mas com o devido preparo para que a cultura da transparência possa ser vivida na plenitude.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Você também irá gostar